Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

mini-saia

O blog de Mónica Lice.

01
Mar17

Pintar o cabelo na gravidez

Mónica Lice

Captura de ecrã - 2017-02-28, 22.11.17.png

 

Antes de engravidar da Laurinha, tinha pintado o cabelo de um bonito acobreado, a puxar para o vermelho, com uma tinta permanente.

 

Adorei o resultado da coloração, feito pela minha querida Maria Lourenço, mas, depois, ao engravidar, tomei a decisão de não colocar tintas permanentes no cabelo e, se possível, qualquer outro tipo de tinta durante os nove meses de gestação.

 

A ideia foi boa e a sua finalidade melhor ainda - evitar que substâncias relativamente perigosas entrem na corrente sanguínea e possam, de alguma forma, interferir com o bom desenvolvimento do bebé.

 

No entanto, à medida que o cabelo crescia, o efeito "raiz" escura era cada vez mais evidente, a juntar aos cabelos brancos que já tenho, Ou seja, tinha o cabelo de três cores - entre o avermelhado e o branco, passando pelo castanho...

 

Claro que passei a gravidez a ouvir "bocas" e opiniões de outras pessoas, que me diziam que a coloração não fazia mal, que a sua ginecologista nunca tinha dito nada acerca da pintura do cabelo, que isto e aquilo...

 

No primeiro trimestre, em que não queria contar que estava grávida, chegou a ser "doloroso" apresentar o cabelo de três cores e não justificar o porquê da minha escolha.

 

Por isso, após os primeiros três meses, e depois de muitas leituras, optei por comprar uma tinta natural e não permanente no Celeiro, próxima do meu tom natural do cabelo, e, com ela, pintar o cabelo em casa. Minhas amigas, a tarefa não foi fácil. Já tinha feito coloração em casa, mas sempre com uma amiga por perto. Nesse dia tinha o meu marido, muito bem intencionado, que ajudou como pode, e lá se fez a pintura.

 

Ficou ligeiramente melhor e deu para disfarçar o efeito raiz, dando ao cabelo um tom distinto e mais aceitável. A partir daí, não me voltei a preocupar com o assunto. A gravidez era assumida, assim como o desejo de não o pintar, pelo que mantive a decisão até quase às 40 semanas, altura em que dei um corte valente e pintei, novamente na Maria Lourenço, com uma coloração tom sobre tom, por ela aconselhada, muito suave, que sai com as lavagens.

 

Gostei tanto da coloração e da forma como o meu cabelo ficou (menos seco e mais saudável) após a mesma que, mesmo depois da filhota nascer, continuei a pintar com ela e disse adeus às tintas permanentes.

 

Como, entretanto, decidi que gostava de voltar a engravidar, nunca mais voltei às cores de cabelo mais "exóticas" e mantive-me nos tons próximos do meu tom natural de cabelo.

 

Assim, nesta gravidez, deixei de pintar depois do positivo e, agora, apesar dos muitos brancos à espreita, não há o efeito raiz, que outrora me "atormentou".

 

Posto isto, e depois do meu testemunho, perguntarão vocês - mas pintar o cabelo na gravidez faz mal ou não? Não há consenso nesta matéria, mas a verdade é que são muitas as colorações permanentes que têm componentes que são mais agressivos e que penetram na corrente sanguínea, podendo afectar o bebé.

 

Cada mãe decidirá, com o médico que a segue, o que é melhor para si e para a sua cria. Eu fiz assim, mas cada uma decidirá o que é melhor para si.

 

E os 9 meses passam tão rápido que, logo, logo, voltamos a poder pintar com o que bem quisermos, sem restrições!

 

Imagem via thegloss.com.

 

3 comentários

Comentar post

O que procura?

Sigam-me

Escrevam-me:

Captura de ecrã - 2016-02-17, 12.17.17.png

aminisaia@gmail.com

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2006
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D